Viagens

Gêres, és (sempre) mágico.

sexta-feira, março 29, 2013









Foram dias de paz, de serenidade. Sem rede no telemóvel, sem pensar nas milhares de coisas que tenho para fazer. Foram dias em que fiquei parada a ouvir o som dos pássaros, em que fiquei a ouvir-me a mim própria. Cheguei e já quero voltar. Passamos por Viana do Castelo, Vila Praia de Âncora, Vila Nova de Cerveira, Monção, Braga, Santo Tirso mas não há como o (meu) Gêres, que é sempre mágico. 

Leituras

"A Arte da Felicidade" por Dalai Lama {livro}

quinta-feira, março 28, 2013

"A Arte da Felicidade"

    Tinha este livro cá em casa há mais de um ano. Há mais de um ano que morava na minha mesinha de cabeceira. Apesar de eu ser daquelas pessoas que "devoram" livros assim que eles me conquistam, este livro demorou a ser lido, não por não me ter fascinado, mas por eu o querer ler com calma e absorver cada palavra, cada modo de pensar. Este é aquele tipo de livro para ler com calma, com um chá perto e com o cheiro do incenso a preencher o quarto. Pelo menos, foi assim que o li. E agora que chegou ao fim, apercebi-me que o li bem.
    Não foi a primeira vez que li alguma coisa do Dalai Lama, nem perto disso. Adoro todos os livros que lhe façam referência, a ele e a toda a prática de Budismo. Fascina-me. Clareia-me o espírito. Gosto e gosto muito. E adorei o livro por sinal. Li-o numa altura propícia a este género de leitura, uma altura em que estou a tentar voltar (ou aproximar-me mais) das minhas origens. E o livro falou tão bem delas e de tudo o que me afastou delas: as mortes, os erros, os perdões que não chegam... Sem saber, o livro disse-me aquilo que eu queria e precisar de ler. Mas bem, deixo-vos algumas passagens pode ser que vos conquistem tal como me conquistaram. 

“Todos os dias deparamos com inúmeras decisões e escolhas. E, por mais que tentemos, é frequente não escolhermos aquilo que sabemos ser ‘bom para nós’. Em parte isso está relacionado ao facto de que ‘a escolha certa’ costuma ser a difícil – aquela que envolve algum sacrifício no nosso prazer.”

“Creio, porém, que à medida que o tempo vai passando, podemos realizar mudanças positivas. Todos os dias, ao acordar, podemos desenvolver uma motivação positiva sincera, pensando, ‘Vou utilizar este dia de um modo mais positivo. Eu não deveria desperdiçar justamente este dia.’ E depois, à noite, antes de nos deitarmos, poderíamos verificar o que fizemos, com a pergunta “Será que utilizei este dia como planeava ” Se tudo correu de acordo com o planeado  isso é motivo para júbilo. Se não deu certo, deveríamos lamentar o que fizemos e passar a uma critica do dia. Assim, através de métodos como estes, é possível aos poucos fortalecer os aspectos positivos da mente.”

"Não me livrei dele. Ele ainda existe. Mas, muito embora esse sentimento de remorso ainda esteja aqui, ele não está associado a nenhuma sensação de peso ou de algo que me impeça de avançar. Não seria útil para ninguém se eu permitisse que o remorso me acabrunhasse, que fosse apenas uma fonte de desanimo e depressão sem nenhuma finalidade, ou que me atrapalhasse meu modo de levar a vida dando o melhor de mim."

Cosmética Natural

Sabonetes da Su e sorrisos no Mercado Porto Belo.

terça-feira, março 26, 2013

Sabonetes da Su

Foi graças ao blogue Verdade Verde no Preto que a Susana começou a falar comigo por causa do meu blogue, embora eu já a conhecesse antes por admirar o seu trabalho. Sabem aqueles contactos imediatos que nos causam sorrisos no coração? Foi esse o caso. Todas as poucas mensagens que troquei com a Susana encheram-me de alegria.

Sabonetes da Su

Aos poucos fui-me apercebendo que eu e a Susana tínhamos bastante coisas em comum e também por causa disso fui-lhe criando um grande apreço. Por esse mesmo motivo assim que consegui ter um tempo livre para divagar pelo Porto fui até ao Mercadinho Porto Belo na Praça Carlos Alberto onde a Susana expõe os seus sabonetes e ganhei coragem para ir falar com ela. Cheguei-me, apresentei-me e a conversa desenrolou (não fosse eu uma fala barato!).

Sabonetes da Su

Os tópicos da conversa foram variados. Falamos de tudo e mais alguma coisa, mas quis especialmente saber mais sobre estes sabonetes. A Susana explicou-me como eram feitos, os ingredientes que preferia usar, o porquê de ter começado a fazer e se antes eu já estava maravilhada com este conceito, fiquei muito mais! Engraçado como mesmo perto de nós conseguimos ter produtos amigos da nossa pele, do ambiente e da nossa carteira! 
Para além da conversa ter sido muito agradável e eu ter adorado conhecer a Susana ela ainda me ofereceu estes sabonetes de manteiga de cacau apropriados para colocar a derreter no banho para amaciar a pele. Eu já experimentei e são realmente milagrosos! Experimentei ainda uns cremes de dia e de noite que estão para ser lançados e fiquei terrivelmente apaixonada, ao fim do dia ainda tinha o cheiro fresquinho na pele a recordar-me o quanto a vida é boa por me surpreender assim. Por fim, e como não podia deixar de ser, comprei-lhe um sabonete em forma de coração para dar à irmã do N. que fazia anos, a Susana deu-me ainda uma ajuda preciosa na escolha da prenda. Devo-vos dizer que adorei, adorei tudo! A pessoa por detrás deste projecto, os produtos e todo o conceito. Fiquei uma total fã. E a partir de agora já sei onde comprar os meus sabonetes (e não só).

Sabonetes da Su

Arrisquem-se a explorar esta página também!

Chá

Apaixonei-me por "A Raposa" {casa de chá}

segunda-feira, março 25, 2013

A raposa | Sesimbra

Quando soube que ia a Sintra andei logo a pesquisar as casas de chá que por lá existiam (que ainda são algumas) e fiquei logo fascinada pelas críticas que li à casa de chá "A Raposa". Chegar lá foi relativamente fácil e apaixonar-me por tudo o que vi lá ainda mais fácil. Sabem aquela sensação de quando encontram algo belo demais para conseguirem acreditar que aquilo existe mesmo? Foi exactamente isso que senti. Quando chegamos à casa de chá não estava lá ninguém. Éramos só nós, o senhor que nos atendeu, e toda a beleza daquela atmosfera espectacular: as pinturas no tecto, os quadros, os diferentes tipos de chávenas, o sol a entrar pela janela, a música clássica, o cheiro que vinha da cozinha. Era tudo tão espectacular que não há como descrever, como não querer lá voltar.

Scones & Chá Rooibos.

Estava eu já deliciada com a decoração, com o atendimento, com tudo e mais alguma coisa, quando o chá veio para a mesa (entre tantos escolhi um Chá Rooibos com laranja) com o tempo de infusão exacto, da forma mais perfeita que podia haver acompanhado daqueles que seriam os melhores scones que algum dia comi. Vinham ainda quentes com um sabor estrondoso. Perfeito, perfeito. Estava tão fascinada que não pude deixar de conter a minha animação e comecei a falar com o senhor que nos atendia: falamos de chá, de comida vegetariana (que faziam para as refeições de lá), novamente de chá, de Sintra, de casas de chá, e mais assuntos sobre chá. Por detrás daquela loja estava um verdadeiro amante do chá, que sabia o que fazia e o que dizia, tal e qual como eu gosto de ver.

Trouxas de canela

O atendimento estava a conquistar-me ainda mais, até ao momento em que o senhor nos aparece na mesa com umas trouxas de canela, à conta da casa, para nós provarmos por sermos novos na zona. As trouxas eram deliciosas. O meu sorriso cresceu imenso. Adorei a estadia por aquela casa de chá. Foi das poucas casas de chá que conseguiu juntar tudo o que - na minha perspectiva - uma casa de chá deve ter: bom chá, bom serviço de chá, bom atendimento, muitos sorrisos, boa decoração, bons doces, boa música e muita paixão por chá. E esta tinha, com certeza! Não é por nada que esta passou a ser a minha casa de chá favorita de Portugal, de todas as que já vi até agora. Parabéns a todos os envolvidos nesta maravilha.

Rua Conde Ferreira n.29, 
2710-556 Sintra, Portugal

Cartas Cruzadas

Os carimbos já chegaram! {do Sotão para a Montra}

domingo, março 24, 2013

Carimbos oficiais.

      Já recebi estes carimbos há umas semanas mas só agora tive tempo para vos falar deles. Pois é, estes carimbos estão cheios de história, carinho e felicidade! Tudo começou quando tentei tornar o projecto Cartas Cruzadas mais amigo do ambiente e comecei a fazer os envelopes a partir de caixas de cartão usadas. Ao fazer isso apercebi-me que os autocolantes já não ficavam bem e que, para além disso, não se revelam nada ecológicos. Tentei arranjar uma alternativa... e a alternativa que me lembrei imediatamente foram: carimbos!
     Andei a pensar sobre eles uma semana, onde os podia arranjar, se os podia fazer... Mas estava complicado. Pedi orçamento a algumas lojas mas o meu bolso era pequeno demais para as suas ambições. Já estava a ficar desanimada e partilhei isso na página do facebook do meu blogue... Nesse mesmo dia ao final da tarde tinha uma mensagem da Cristina Cunha a oferecer-se para me fazer os carimbos. Dizer que pulei, gritei, sorri, cantei, abracei e fui inundada por uma alegria imensa é pouco. 
     A  Cristina foi e é uma das participantes no Projecto Cartas Cruzadas e tem sido das pessoas com quem mais gosto de trocar cartas, e como se essa surpresa já não bastasse, ainda me fez estes carimbos (que são lindos!) sem aceitar nada em troca. Se eu pensava que já não haviam pessoas assim, enganei-me bem. Ter recebido estes carimbos desta forma fez-me sentir mesmo feliz e eternamente grata com a Cristina. Nutro por ela um carinho especial e não podia deixar de partilhar isso aqui. Mas há mais...! Para além da Cristina ser um doce de mulher, fazer uns carimbos perfeitos, faz também mais coisas lindas que podem ver no seu blogue: "Do Sótão para a Montra". Não deixem de visitar. E já agora, o que acham dos carimbos? Ficaram tão apaixonados quanto eu?

Obrigado Cristina! ♥

Leituras

Frase do dia:

segunda-feira, março 18, 2013

Embora nossas experiências sejam consequências dos nossos actos passados, isso não quer dizer que o individuo não tenha nenhuma escolha ou que não haja nenhum espaço para a iniciativa de mudança, para concretizar mudanças positivas. E isso vale para todos os sectores da vida. Não deveríamos tornar-nos passivos, nem procurar nos eximir da necessidade de tomar iniciativas pessoais com base no raciocínio de que tudo resulta do carma, porque, se compreendermos correctamente o conceito de carma, entenderemos que carma significa "acção". 

Dalai Lama in "A Arte da Felicidade"

Voluntariado

O que são duas horas por semana?

terça-feira, março 12, 2013

Ultimamente terça-feira tem sido o dia mais mágico da semana. Para além de ser o dia em que me escrevo a maior parte das cartas que tenho planeadas para a semana é também o dia (geralmente) em que tenho o voluntariado na Cruz Vermelha. Para quem não leu aqui, o voluntariado que eu faço na Cruz Vermelha é uma visita semanal a uma senhora idosa cá de Vila Real que tem várias doenças. Logo na primeira visita fui conquistada pela senhora e agora passado apenas um mês já não me imagino sem as visitas semanais à sua casinha, juntamente com os seus abraços de horas, o chá de menta e torradas como nunca tinha provado. 
Não sei quem é mais ajudado mais, se a senhora, ou se eu.. que sempre que saio daquela casa (normalmente passado umas duas horas de pura conversa) sinto-me tão livre, tão bem comigo e com o mundo, tão cheia de energia, tão alegre. Tão cheia de vida! Quem me dera poder fazer isto todos os dias. É uma sensação tão boa.
E o que? Tu ainda não fizeste voluntariado? Então toca a tirar duas horas da tua semana e começa a espalhar felicidade nos outros e em ti. Vale sempre a pena.

Chá

Uma casa de chá em Londres: Urban Orient

sábado, março 02, 2013

English tea house (:

Já fui a Londres há algum tempo (mais precisamente no dia em que eu e o N. fizemos meio ano de namoro), mas só agora é que reparei que ainda não vos tinha falado da minha primeira grande visita a uma casa de chá. Desde sempre que fui apaixonada por chá, mas creio que foi desde que fui a esta loja (e descobri a Rota do Chá) que comecei a perceber que esta minha paixão se tinha tornado em amor. Ter ido a Londres foi mágico - embora tenha ficado doente -, não só porque foi a nossa primeira grande viagem como também foi óptimo andar por uma cidade onde toda a esquina falava de chá.

Muffin and tea (:

Esta casa de chá estava localizada em Crystal Palace bem perto do Hotel onde estávamos hospedados. No dia em que chegámos encontramos-la logo e foi lá que almoçaste (quer dizer, lanchamos.. tendo em conta que chegamos precisamente às 5pm) comendo logo uns maravilhosos muffins e o típico chá preto com umas gotas de leite - que lá sabe certamente de outra forma! Para além do chá ser maravilhoso, o açúcar é do The Fairtrade Foundation e toda a decoração é excelente.

l

Para além do chá magnífico, o atendimento espectacular, tinha também comida vegetariana (yey!) e uns artigos fantásticos à venda.. Eu acabei por comprar um caderno feito de folhas de bamboo onde registo agora a minha colecção de chás. Vejo estas fotografias e só me apetece lá voltar... Mas bem, a esperança é a última a morrer certo?

Seguidores

Junta-te ao Facebook

Amantes de Chá

Junta-te ao grupo #umaxícaradechá