Cosmética Natural

O melhor hidratante de lábios do mundo #2 {ArteSana}

quarta-feira, novembro 19, 2014


    Eu já falei deste hidratante de lábios aqui quando o nomeei o melhor hidratante de lábios do mundo. Isto numa época em que a ArteSana ainda era "Sabonetes da Su" e eu ainda morava em Vila Real. Agora as épocas são outras. Pois é, muitas coisas mudaram desde então, mas a minha paixão por este hidratante não foi uma delas. 
    Depois de ter usado e abusado do bálsamo de Alecrim/Menta chegou a vez do de Amora. E pronto: apaixonei-me. Recebi-o na Primavera e aquele cheirinho a amora, a suavidade e o toque feminino da cor vieram mesmo a calhar. Apaixonei-me uma e outra vez, todas as vezes que o colocava, e os meus lábios pediam sempre por mais. Tal como aconteceu com o de Alecrim/Menta o de Amora revelou-se também o melhor amigo dos meus lábios.
   Tanto na Primavera, como no Verão, Outono e Inverno este baton é o indicado para ultrapassar as peles secas, as feridas... o Inferno que sofria antes de conhecer estes hidratantes. E o melhor? É natural, é português e é feito bem pertinho de mim pela maravilhosa Susana (que eu já falei no blog uma série de vezes). E agora podem encontrá-la não só no Mercado Porto Belo aos sábados mas durante a semana no seu atleier - que é tão lindo quanto tudo o que ela faz. Aconselho as vezes que forem precisas, porque coisas como estas são raras. E se não sabiam como substituir aquele baton cheio de químicos... cá está a solução.

Um xi-♥ não testado em animais, biológico, 
100% biodegradavel e só com produtos naturais, 
Mariana.

Chá

Um brilho de sol... Earl Grey Blue Bio ✿ {Gramas de Chá}

terça-feira, novembro 18, 2014


Nestes dias cinzentos e com tanta chuva , por vezes, faz falta um bocado de sol. Não é? Faz falta algo que nos anime, algo que nos aqueça a alma e que desperte um bocadinho mais o brilho do nosso coração. É nesses dias que este chá parece a o testo perfeito para a panela, a outra metade do copo para ele estar realmente cheio. Encaixa, conforta e alegra-nos qualquer nuvem de tristeza que possa estar a passar. Este é, claro, mais um chá da loja Gramas de Chá, em Vila Real.

GRAMAS DE CHÁ ® EARL GREY BLUE BIO  ~ Ingredientes {Em Proporção Variável}: Chá preto Assam*, flores de aciano* e aroma natural a bergamota. *Produtos de cultivo biológico.


    Quando experimentei este chá, só o seu cheiro fez-me lembrar os tempos em que comecei a apaixonar-me por chá, por este vício, por este amor. Quando o que mais bebia era o chá Preto. Mas claro que nunca, nos inicios bebi um chá tão bom. Se assim fosse estaria enamorada desde o primeiro gole de chá. O cheiro lembrou-me os chás da cinco, as torradas com manteiga e mel, mas depressa o meu pensamento viajou e me apercebi que este chá era a maneira perfeita para começar um dia. Para despertar cheia de boas energias. Assim que o coloquei na colher medidora de chá (em cima) fiquei espantada com a delicadeza das flores, com as cores, com o aspecto magnífico. Não demorou muito para eu estar em pulgas para provar o chá. Não me decepcionou. Com o sabor familiar e agradável do chá preto, este chá tem ainda um sabor floral, adocicado que me convence ainda mais. 
   Com este chá, as minhas contas com o café continuam a ser 1-0 com o chá a ganhar. Porque naqueles dias em que chove na alma, vai ser exactamente este o meu escudo. E como provém de agricultura biológica parece que ainda ilumina mais o meu dia. É tão bom encontrar estes raios de sol pela forma de chá. 



Um xi- bem quentinho e boa sorte, 
Mariana.

Cartas Cruzadas

35 cartas e um calo na mão {Projecto Cartas Cruzadas}

quarta-feira, novembro 12, 2014


      Voltamos. Voltamos aos longos serões à volta de uma página branca, às canetas que ficam sem tinta e aos envelopes que lá tento fazer. Voltamos a sorrisos que são levados por um selo e envelopes cheios de abraços. Voltamos a chás à distância, a cumplicidades de lua nova, a amizades de meio mundo. Voltamos. Voltei a fazer aquilo que mais gosto: escrever e dedicar-me aos outros. Voltei ao Projecto dos meus olhos que tanta falta me fez. Voltei a contactar-me com as pessoas maravilhosas que este mundo me deu a conhecer. Voltei a ter os dias mais felizes. 
     Mas com os dias felizes vieram mais cartas. Quarenta e sete no total. Quase meia centena! Já escrevi doze. Ficam a faltar trinta e cinco. Trinta e cinco. Tantas, credo! Até custa a escrever tamanho número. Mas depois penso nas pessoas que estão por detrás das cartas. Correcção: das pessoas fantásticas que estão por detrás das cartas. Das pessoas que preenchem o meu coração e às quais vou escrever com todo o carinho que tenho. Se bem que não vou escrever com uma letra muito bonita porque ontem escrevi uma carta com seis páginas e ganhei um belo de um calo no dedo. Quem me dera ser daquelas pessoas que conseguem escrever com as duas mãos, isso sim é que me dava jeito! Mas bem, 12 dias de Novembro, 12 cartas. Pelas minhas contas, se começar a escrever duas por dia, no final de Novembro tenho as cartas todas mandadas. Boa! Sim? Agora vamos lá rezar para não me crescerem mais calos. 

Um xi- e boas escritas (ou leituras),
Mariana.

Cosmética Natural

In my Way to Green Beauty #2 {uma questão de ingredientes}

terça-feira, novembro 11, 2014

No último post do "In My Way to Green Beauty" falei daquilo, que eu acho, que é importante os nossos produtos de higiene terem, como o símbolo de agricultura biológica, não ser testado em animais e ser de comércio justo, contudo é ainda mais importante analisarmos os componentes dos mesmos. Sabem, aquela listinha numa língua que poucos de nós entende em letras tão minúsculas que é mesmo para não lermos. Hoje falo-vos como forcei os meus olhos ao ler essas letrinhas todas à procura dos ingredientes considerados prejudiciais à nossa saúde. 


      E como é que eu sabia quais é que eram? Pesquisei. Há uns tempos deram-me uma lista desses ingredientes e ainda acrescentei uns tantos. Ao todo eram mais de trinta ingredientes. As listas que vos falo são as seguintes: esta e esta. Escrevi os ingredientes todos no word e fui buscar todos os produtos que tinha. Coloquei-os no chão, como podem ver, e dispus-me a analisá-los um por um. 
      A primeira selecção que fiz foi quais eram ou não testados em animais. Dessa forma era mais fácil excluir logo uns tantos antes de examinar o rótulo. Decidi começar por esta selecção porque tomara a decisão que não queria usar mais nada que remetesse para a crueldade animal. Era uma decisão que estava tomada a 100%. 
  Assim as marcas que eu tinha que testavam em animais, pelo que pesquisei, eram a: Méthode Jeanne Piaubert, a Mary Kay, a Roger & Gallet, Garneier, a L'Oreal, a Escada, a Avon e a Yves Saint Lauren. Não verifiquei a marca Essentya, nem a Listerine, nem a Marionnaud porque não era preciso pesquisar muito que aquilo provavelmente devia estar cheio de químicos e também estavam no fim e não planeava voltar a comprar. Fiquei com dúvidas em relação à Colgate (no site da PETA diz que estão a tentar mudar essa realidade), e à Essence - as pesquisas que fiz diziam que não testavam mas eu tinha as minhas dúvidas, até porque não havia muita informação. Já as que não testavam em animais eram: Bioderma (segundo informação colocada pela marca), Corine de Farme, Dr. Organic, Biopha Nature, BodyShop, Yves Rocher e Dior.
    Desta forma tinha excluído logo dezasseis produtos num total de vinte e nove. Só de pensar na minha carteira até me doía a alma. Mas piorou quando comecei a pensar naquilo que consumia há tantos anos sem saber a crueldade que estava por detrás. Às vezes somos (sou) mesmo ingénua não é? Era tão bom que pudéssemos escolher à vontade sem pensar em questões éticas e morais, porque tudo era "correcto", ou pelo menos aquilo que nós achamos como correcto. Mas infelizmente não é assim.
    Continuei a minha busca e passei a examinar os treze itens que restavam. Analisei-os o mais cuidadosamente que pude, não percebendo patavina do que estava escrito nas linhas pequeninas (um dia disseram-me: se não entendes os ingredientes das coisas que consomes então estás no mau caminho). Enquanto lia apercebia-me que o meu caminho não era só mau como estava também cheio de químicos horríveis. Fiquei super decepcionada quando me apercebi que a Corine de Farme, marca que sou totalmente fã, tinham três daquelas substâncias arrepiantes (e pelo que li, já que não percebo nada da matéria, das mais perigosas). Custou-me saber que o champô que me acompanhou anos da minha vida de estudante afinal não era assim tão natural quanto dizia, e que o meu gel de banho com cheiro a baunilha apesar de ter o melhor cheiro do mundo de resto não tinha nada de bom. Já no que toca ao amaciador, nunca me perdi de amores por ele, portanto nem fiquei muito desiludida. Ter-me apercebido disto chocou-me o coração. Sabia que ia ter surpresas desagradáveis mas nunca pensei que esta fosse uma delas... sentia-me no mínimo enganada. E essa sensação piorou quando descobri duas substâncias na minha base (e assim me despedia da minha melhor amiga quando as borbulhas aparecem) e cheguei ao fundo do poço quando descobri que na minha água micelar da Bioderma (que eu aconselhava a toda a gente) havia uma dessas substâncias. Senti-me horrível, enganada, sem esperança no que aí vinha e uma impostora por ter andado a dizer tão bem destes produtos, que afinal não eram assim tão bons.


     No final as contas eram de num total de 29 produtos, 16 reprovados e apenas oito aprovados. Contudo como o dinheiro não reina cá em casa, não deitei os produtos que foram reprovados fora, obviamente! Deitei fora apenas: a mascara de argila da Avon e o serum para as pontas espigadas da Essentya porque reparei que já tinham passado do prazo de validade, já não gastava há tanto tempo! Deitei fora também três riméis porque já estavam secos, fiquei apenas com o invisivel da Mary Kay que também está quase a acabar e com um novo que tinha da Maybelline. O elixir, o amaciador, o esfoliante e o desmaquilhante estavam quase a chegar ao fim por isso mais uma utilização e dei cabo deles! Ficaram-me a sobrar as sombras: guardei-as. Porque tinham um valor sentimental muito grande. Decidi também acabar a pasta dos dentes, o champô, o gel de banho, a àgua micelar e o perfume da escada. Apesar de tudo sou contra o desperdicio. Se bem que a próxima vez que os usar vai ser tão estranho! No meio disto tudo não analisei a àgua de alfazema porque tenho total confiança no trabalho da Susana, e os produtos dela (bem como o sabonete que está na minha casa de banho) são algo que uso sem pensar uma ou duas vezes. 
       E a partir de agora é que começa a parte engraçada do Projecto! Começar a ver alternativas para todos estes produtos que reprovei. Vai ser uma caça e tanto! Ansiosa por começar (isso quase que anula a desilusão que esta analise me trouxe...). E vocês, já fizeram a vossa analise? Vamos lá limpar os nossos armários!

Um xi- não testado em animais, biológico, 
100% biodegradavel e só com produtos naturais, 
Mariana.

Chá

Fomos até à Índia... Dourada. {Gramas de Chá ®}

segunda-feira, novembro 10, 2014


     Pois é, voltamos às review dos melhores Chás de sempre! Os da Gramas de Chá, pois claro. Devo-vos dizer que voltar a escrever sobre este assunto enche-me o coração de uma alegria imensa e de uma gratidão tão profunda como as raízes da árvore mais velha do Planeta Terra. Para além de adorar ter novos chás nas mãos, adoro partilhá-los com vocês. E este caso é mais um exemplo disso. Mal abri o pacote creme onde vinha o chá que tive vontade de o experimentar. Bastou-me abrir o pacote, ser invadida pelo seu aroma e logo a seguir fui tele-transportada por um sítio longínquo. 
     Um sítio onde era ainda de manhã, o céu estava enevoado, lá fora haviam montes verdejantes que rodeavam toda a minha vista. E dentro de casa havia um cheiro a queques de maçã, a lareira estava acessa, e sobre mim tinha um gato de cor branca sobre o meu colo. Este chá levou-me até este sítio. Que não sei, nem nunca saberei, onde era. Mas que, de certo, era um dos melhores sítios onde já estive. E tal começou a ser mais evidente quando comecei a provar o chá. 

GRAMAS DE CHÁ ® ÍNDIA DOURADA ~ Ingredientes {Em Proporção Variável}: Chá preto, pedaços de maçã, pedaços de canela, rodelas de laranja, folha de cravo, pimenta rosa, coentro e cardamomo.

      
        Quando se cheira sente-se logo o cheiro da laranja da pimenta rosa e um cheiro tão doce e convidativo a uma chávena de chá para alegrar o nosso coração. Ao beber... é uma explosão de sabor. Aliás, mesmo visualmente, este chá é uma explosão de sabor. É uma delícia ver os vários tipos de ingredientes mal pegamos num bocado de chá com a colher medidora. Isso não se vê naqueles chás de saqueta! É inconfundível a qualidade deste chá. Mas ia eu a dizer... quanto ao sabor: sente-se o calor da pimenta que a meu ver é aquilo que torna o chá tão reconfortante, e depois o sabor doce da maçã e dos coentros dão um final ao chá tão viciante e agradável ao paladar que é quase proibido ficar só por uma chávena. Eu, pelo menos, não consegui. 


Um xi- bem quentinho e boa sorte, 
Mariana.

Cosmética Natural

In my way to the green beauty #1

domingo, novembro 09, 2014


    Quando planeei este projecto na minha cabeça sabia exactamente o que queria: tratar de mim sem descuidar nada ou alguém. Sabia que ao longo dos anos tinha feito muito "trabalho de casa" mas que também me tinha descuidado muito por pensar que já "fazia o suficiente". Não queria que isso voltasse a acontecer. Sabia que com as pesquisas e trocas de sugestões ia descobrir coisas que não gostava assim tanto, coisas que me iam deixar triste e menos esperançosa em relação ao mundo e que por mais coisas que lesse havia sempre algo a aprender. Sabia que no que toca a cosméticos (e noutra coisa qualquer) eu nunca iria saber de tudo. Mas mesmo assim decidi-me a avançar com este projecto.

    A primeira coisa que me lembrei que tinha de falar mal arrancasse com o projecto era do vídeo "The Story of Cosmetics" embora seja de 2010 (já???) é ainda bastante actual e acho que explica de uma forma bastante engraçada a realidade que se passa nos dias de hoje. Houveram muitas coisas que me fizeram olhar para os cosméticos de forma diferente mas foi acima de tudo aquela ideia de beleza que os rótulos transmitem. Decidi afastar-me dos cosméticos naturais por não querer cair acima de tudo na "rede da publicidade". Não queria ver um anuncio para peles luminosas e ficar a pensar: será que a minha pele é luminosa? será que está bem? Será que é horrível? Parece exagerada esta linha de pensamento mas infelizmente é exactamente isso que a publicidade faz por nós nos dias de hoje: faz-nos duvidar da nossa beleza, da nossa maneira única e maravilhosa de ser. Faz-nos pensar que se não formos iguais a toda a gente, então somos nós que estamos mal. E isso está tão mal. 

Primeira coisa a fazer nesta caminhada: desligar-nos da publicidade, do que é suposto parecermos. Ligarmos apenas e exclusivamente aquilo que somos e ninguém tem haver com isso.

Para quem viu também o vídeo apercebe-se que quem manda nisto tudo, no nosso processo de escolha, não somos nós. É quase como quando éramos pequenos e sem sabermos os nossos pais nos davam a volta e nos convencíamos que afinal não queríamos a pasta dos dentes da minnie super cara, o que nós queríamos mesmo era a pasta dos dentes sem bonecos mais barata. Isto tudo, claro, sem darmos por isso. Acho que cada vez mais temos que ter cuidado com aquilo que compramos. Porque aquilo que compramos irá sempre bbeneficiaralguém, mesmo que nem sempre se saiba directamente quem é esse alguém. É fundamental sabermos que "mercado" estamos a aumentar e para onde vai o nosso dinheiro. Posto isto chegou a altura de vos falar de três coisas que eu acho muito importantes no que diz respeito à escolha de produtos de higiene.



 ~ Não ser testado em animais: esta é uma opção minha que diz respeito à minha forma de ver o mundo. Não quero estar a usar creme, ou seja o que for, e pensar que para o usar já algum género de crueldade foi prestada. Felizmente hoje, em dia, já existem algumas alternativas e cada vez mais há marcas que não testam em animais. Para saberem se é testado ou não em animais podem recorrer a esta lista da PETA. Pesquisem a marca que querem saber e logo terão a vossa resposta. Para facilitar também sempre que virem o símbolo em cima à esquerda nos vossos produtos sabem que ele não foi testado em animais.

~ Ingredientes de Agricultura Biológica: para quem acredita nos benefícios da agricultura biológica (como eu) sabe o quão importante é estarmos rodeados de produtos sem qualquer químico. Daí ser também fundamental que os ingredientes dos nossos produtos de higiene também provenham de agricultura biológica, para saber se o são estejam atentos há existência do símbolo do meio nos vossos produtos, ele comprova que todos os ingredientes usados são de agricultura biológica. Atenção, uma pequena coisa que fui aprendido, é que este símbolo é bastante caro, pelo que me contaram é preciso pagar para o ter bem como uma série de burocracias. Conclusão: normalmente as pequenas lojas não o têm. Não por não usarem ingredientes biológicos mas pela questão burocrática. Neste caso aproveitem e tentem falar com a loja em si e perceber a sua filosofia de funcionamento).

~ Ser de comércio justo: Quem é que não gosta de usar manteiga de cacau? Eu sou uma fã imensa. Adoro todos os produtos que sejam mais "exóticos". Contudo para além dos milhares de quilómetros que estes ingredientes têm que fazer para chegar até mim (que já por si poluí imenso), normalmente o comércio entre a "apanha" destes produtos, passando por todo o processo agrícola é feito por uma ninharia. Os fornecedores não são pagos pelo custo justo do seu trabalho. E quando isso acontece os nossos produtos até podem não ser testados em animais, mas passarão a ter crueldade humana. E isso é algo que também não é de aceitar. Claro que esta questão não se levanta se os produtos que comprarmos forem feitos apenas com produtos locais e for tudo tratado por trocas directas. Daí, há que realçar sempre a importância do artesanato, de consumir o que é nosso. Mas, como não há cacau em Portugal há sempre que ressalvar esta questão.

Como disse, todas as nossas escolhas têm alguma influencia e é preciso pensar aquilo que queremos influenciar. Porque, ao que me parece, ainda temos esse poder. Agora, toca a ir vasculhar os nossos produtos: quantos deles têm estes símbolos? Quantos deles sabemos que são feitos com ingredientes de agricultura biológica e proveniente de um comércio justo?

To be continued...

Um xi- não testado em animais, biológico, 
100% biodegradavel e só com produtos naturais, 
Mariana.

Cosmética Natural

In my way to the Green Beauty: o ínicio ~

sexta-feira, novembro 07, 2014


Ao longo de todo o meu (pouco) tempo de existência muitas coisas mudaram. A vida em si, é uma grande mudança e não haver mudança significa quase sempre que algo estagnou. E quando algo estagna, meus caros, nunca é bom sinal: ou é sinal que as pessoas deixaram de se importar ou, no meu caso, é sinal que morri. Mudança é a primeira grande palavra de ordem da minha vida. Acredito que a mudança é boa e positiva (mesmo que mudas vezes não o aparente). Acredito que sempre que mudamos é para chegarmos mais longe naquele caminho que tem o nosso nome tatuado. Acredito que, quando a vida nos faz mudar, ou muda, não é ao calhas. Há sempre algo reservado para nós. Isto tudo para vos falar de uma grande mudança que ocorreu aos poucos e poucos na minha vida.

    Comecei a minha aventura no mundo da "ecologia" (se é que é assim que lhe posso chamar) aos quatorze anos. Agarrei essa forma de proteger, defender, amar o mundo como se não houvesse mais outra forma (de realçar que eu continuo a achar que não há). Contudo nessa minha luta cometi um erro atroz. O erro dos extremos. Durante um grande período apenas lavei o meu cabelo com sabão azul e vinagre e o meu hidratante corporal era azeite. Não foi nenhum erro, aliás, a minha pele e o meu cabelo nunca mostraram desagrado. Mas daí partir para o grande erro. Achava que todas as pessoas que se maquilhavam, pintavam as unhas ou usavam roupa de marca mereciam quase um castigo divino por estarem a causar mal ao ambiente. Achava que tudo o que era mais industrial fazia mal. E por isso nunca o usei. Não ia ao cabeleireiro, não pintava as unhas, usava apenas roupa biológica, com algodão biológico ou que reaproveitava dos meus pais. Digamos que durante uns bons dois anos a minha forma de me apresentar era tão ao estilo "into the wild" que vendo fotos às vezes nem eu me reconheço.
      Tudo começou a mudar por volta dos meus dezasseis/ dezassete anos quando me apaixonei por aquele que até agora tem sido o grande homem da minha vida. O N. sempre foi aquele género de rapaz que sempre vestiu bem, com roupas e produtos higiene todos de marca. Essa era a parte dele que me fazia "comichão", mas ao longo do tempo ele foi-me ensinando que existiam verdades por detrás de muitas marcas de cosméticos. Às vezes bastava procurar melhor, informar-me melhor para encontrar alternativas tão boas ou melhores sem nenhuma crueldade animal ou químico. Essa foi uma das coisas que ele me ensinou e em grande parte é o motivo por estar a escrever aqui. A outra é que, à medida do tempo que me fui apaixonando por ele, fui-me tornando mais mulher. Senti vontade de pintar as unhas, de me maquilhar (e a minha melhor-casa - subentenda-se a M. - ensinou-me a maquilhar-me de um jeito maravilhoso e apanhar gosto por todas aquelas paletes de cores), de vestir roupas mais justas, de usar perfumes e tudo aquilo que antes era proibitivo no meu armário. 
       E aqui começa a altura em que vos falo deste meu novo Projecto. Acredito que tal como eu era há seis anos atrás, ainda existam pessoas assim (espero mesmo!). Pessoas que se preocupam com o ambiente, que pensam naquilo que põem na pele, em que tocam, e acima de tudo: o mercado que estão a impulsionar. Sempre acreditei que eram as nossas escolhas, as nossas opiniões que ditavam em parte o futuro deste planeta. E por mais pequeninos que sejamos ainda somos alguns, certo? Por isso, para esses alguns, e para alertar outros, criei este Projecto: In my Way To The Green Beauty. Como o título diz, este será o meu caminho por uma beleza mais "verde", mais "ecológica", mais "sustentável". Não será, contudo um projecto de certezas, de regras. Será um projecto onde irei pesquisar ainda mais, experimentar projectos e contar-vos tudo sobre o que há no armário de "beleza" cá de casa. Quem me acompanha? 

Um xi- não testado em animais, biológico, 
100% biodegradavel e só com produtos naturais, 
Mariana.

Seguidores

Junta-te ao Facebook

Amantes de Chá

Junta-te ao grupo #umaxícaradechá