Quando as palavras que (vos) escrevo, são segredos.

domingo, novembro 22, 2015

As palavras são mágicas por vários coisas. Porque nos transcedem, explicam e sentem. Porque nos ouvem e falam, porque nos segredam e revelam. Porque nos aconchegam e nos magoam. Contudo, entre todos os significados, o melhor, é o poder de dar às palavras o sentido que queremos. Esse sentido, é não haver sentido nenhum. (É só porque sim: porque apeteceu, porque soube bem, porque nos lembramos e não há forma de travar as palavras que nos chegam aos ouvidos do coração.) A escrita é incompreensível. Por vezes nem quem escreve sabe porque o faz, as palavras podem encher-nos e ao mesmo tempo esvaziar-nos. E é exactamente por isso que continuamos a escrever: é o nosso diálogo secreto que não tem segredo nenhum. 
Escrever, é também fazer magia. Ser mágico na nossa arte de conjugar silabas e transformar pontos finais em vírgulas. Fazer das coisas obvias o abstracto e do abstracto a respiração. Respirar palavras é respirar desabafos, histórias e pessoas. 
Há quem compreenda. Há quem compreenda só ás vezes e há quem nunca chegue a compreender. E é essa a magia. Ser incompreendido na nossa própria compreensão. É com as palavras que me entendo e nisso deposito toda a minha razão. As palavras têm duas faces e às vezes até mais. Nós apenas fazemos com elas o que queremos. Somos mágicos no nosso próprio vicio. E quanto for menor o número de pessoas que as entenda, melhor, porque às vezes (só às vezes) as palavras têm significados secretos que queremos guardar só para nós.

You Might Also Like

4 comentários

Seguidores

Junta-te ao Facebook

Amantes de Chá

Junta-te ao grupo #umaxícaradechá