Primeiro ano do Projecto Cartas Cruzadas

By Mariana Neves - junho 07, 2013

"Tal como as sementes, as palavras podem germinar de imediato ou esperar anos em estado de dormência. Podem gerar flores e frutos, que proporciona beleza e alimento, ou ervas daninhas que cegam e sufocam quem as deixou crescer. Cada palavra é uma semente e o terreno onde medra é o coração do homem." - Susanna Tamaro

Entrega ao Outro.

     Um ano depois, muita coisa mudou, o projecto evoluiu, conheci pessoas extraordinárias, aproximei-me de outras. O Projecto abriu-me muitas portas, muitas experiências, muitos sorrisos, mas mais que isso, mudou a minha vida. Desde que comecei este Projecto que até a minha visão sobre certas coisas mudou. Dou por mim a pensar neste projecto em toda a hora: "oh vou comprar isto para mandar aquela pessoa, porque ela já me disse que andava à procura" ou "vou comprar este papel para tornar este projecto mais ecológico"... Com o tempo o Projecto ocupou um espaço permanente no meu coração, no meu pensamento, mas também no meu quarto. Com tanto material tive que reservar duas caixas para colocar as cento e quarenta cartas que já recebi e uma gaveta inteira para guardar todas as coisas que possuo para tornar o projecto mais pessoal, mais "nosso".

Preencher o mundo com felicidade.

     E foi a partir desse material que guardo na gaveta que resolvi tirar estas fotografias e explicar resumidamente o que é para mim o Projecto Cartas Cruzadas (sintam-se livres para usar as fotografias como quiserem!). "Entrega ao outro". Haveria maneira de ser de outra forma? Criei este projecto para os outros, e propus-me a entregar-me a eles. Demoro em média meia hora a escrever cada carta, e cada trinta minutos do meu tempo são uma dedicação plena ao receptor da carta. Como já fui mencionando no blogue, uma coisa que aprendi, é que se queremos que as pessoas se sintam bem e que -acima de tudo - nos sintam, temos que nos dedicar a elas. Entregar uma carta é entregar também um bocado de nós. É entregar as nossas melhores palavras, a nossa melhor letra, o melhor do nosso tempo. "Preencher o mundo com felicidade". Nó início do projecto os autocolantes dos envelopes diziam: "mando-te um bocado de felicidade por forma de carta". Este foi, desde sempre, o objectivo do Projecto. Espalhar felicidade. E quem é que não é feliz por receber uma carta? Provavelmente quem nunca recebeu uma (excluindo aquelas cartas "chatas" obviamente). É bom sentir-mo-nos aconchegados com as palavras dos outros, é bom sentir-mos que nos querem bem e que para alguém as nossas palavras importam. 

Fazer do selo uma troca de carinho

       "Fazer do selo uma troca de carinho." Se antes, por estes lados, os correios eram um local em extinção, agora não há uma única semana em que não tenha que ir lá entregar as minhas cartas. Sabem aquele provérbio da gota no oceano? Quando vejo as greves nos correios não me sinto inútil, sinto-me uma gota muito pequenina mas sei que lá vou fazendo a minha parte. Já mandei entre duzentas a trezentas cartas este ano (já perdi a conta, nem sei a quantas ando!) coisa que antes deste projecto seria muito raro acontecer. Aliás noutro dia tornei-me amiga de dois carteiros lá do sitio onde eu moro, contei-lhes do projecto, e eles simplesmente adoraram. Se foi por ser um bom sinal para o trabalho deles ou se foi pelo Projecto em si? Não sei. Mas fez-los sorrir. E é isso que importa. Mesmo que o selo seja o intermediário deste projecto, é bom saber que é a partir dele que cresce a familiaridade entre quem manda e recebe cartas.

Carimbar vidas.

       "Carimbar vidas". A frase que está aqui, pensando bem, deveria ser outra. Deveria ser: tatuar vidas. Os carimbos às vezes podem sair, as tatuagens ficam, permanecem. E é isso que acontece a tantas das pessoas a quem já mandei cartas: permaneceram. Tenho casos de pessoas que passaram de meras desconhecidas a amigas chegadas. Aliás, felizmente, tenho vários casos. Mandar cartas não é só partilhar letras é também partilhar vidas, partilhar medos, sonhos, sentimentos. Partilhar o que está bom e o que está mal. Li muitas vezes palavras de gratidão em relação às cartas que mandei "Obrigado por teres alegrado o meu dia", "Obrigado por me fazeres sorrir". Ria-me ao ler aquilo: as pessoas não perceberiam que elas é que me faziam bem? Elas é que me faziam sentir feliz? Com o tempo apercebi-me que estes casos de troca de cartas, tornaram-se casos de simbioses perfeitas. Nos dias de hoje existem cartas de certas pessoas que eu abro eufórica só para me alegrar com as palavras que me são destinadas. Existem pessoas que já fazem parte da minha semana, do meu pensamento, e, caramba!, isso é tão bom.

Coleccionar Momentos.

     "Coleccionar Momentos" - Durante um ano escrevi cartas nas mais diversas situações: eufórica de alegria, no estrangeiro, triste, de luto, doente, cheia de exames, sem inspiração, etc. Todas essas cartas que escrevi e todas as que recebi criaram momentos. Um dos momentos que mais me sensibilizou este ano, foi quando morreu um familiar meu e nessa semana recebi imensas cartas a relembrarem-me que eu não estava sozinha, eu tinha amigos longínquos que sabiam o que eu estava a passar, que se preocupavam comigo. Uma das cartas até trazia uma bolacha para me animar! Foi certamente um dos piores momentos da minha vida, mas essa sensação de amizade por parte das pessoas que participaram neste projecto aconchegou-me o coração. E fez com que isto tudo valesse a pena. Todos os dias existe algo que faz este projecto valer a pena. Todos os dias eu desejo ter mais cartas para escrever e simplesmente não quero que isto acabe. Que venham mais dois anos, mais dez, mais cem, estarei cá para escrever cartas e ler tudo o que têm para me dizer. Afinal a vida é feita de momentos, e a minha é feita também por momentos escritos por desconhecidos. 

Gratidão.

        "Amizade" - É isto que se cria, uma amizade gigante, uma amizade sem limites locais. Não me canso de agradecer por tudo o que este projecto se tornou (e foi tanto, não foi?). Obrigado a todos no geral, que participaram, que estão à espera de participar e se querem participar toca a mandarem-me um e-mail! E um obrigado em particular à Cristina Cunha (que foi a grande responsável por a existência dos carimbos do projecto), à Sónia da Veiga, à Rita Correia, à Marlene Martins, à Marina Duarte e à Maria Helena,  por me deixarem maravilhar pelas vossas palavras (e aprender com vocês o dom de escrever cartas). Obrigado também às pessoas que permaneceram não só no papel mas que saltaram para a minha vida real: Liliana Pereira, Fátima Magalhães, Adriana Fonseca, Inês Almeida, Stefanie Borges, Adriana Serra, obrigado por esse salto e por me darem a oportunidade de confirmar que realmente existem pessoas maravilhosas na vida real. E por fim, e não por último, um obrigado gigante (com tudo o que tenho de mim) às pessoas que fizeram este projecto ser possível e me deram força para escrever mesmo quando as dores já eram insuportáveis: Judite Santos, Sofia Teixeira, Marta Silva (obrigado por tudo parceiras!), ao Diogo Barroso que me relembra todos os dias qual é o meu caminho e não me faz desistir, ao grande Nelson Figueira que me despertou a paixão pelas cartas e que foi a grande razão por ter começado esta aventura, à Daniela Barreira por ser a palavra confiança no meu alfabeto e por me ajudar a manter o grupo Cartas Cruzadas no facebook, aos meus pais (sem o apoio deles nada disto era possível, obrigada por serem tão maravilhosos), e por último, aos meus dois grandes pilares sem os quais não podia fazer nada disto: Nuno Silva e Inês Fernandes - obrigado por serem os melhores amigos do mundo, significam mais que muito para mim.  (peço desculpa se me esqueci de alguém a verdade é que sou uma sortuda em ter tantas pessoas magníficas na minha vida!)

  • Share:

You Might Also Like

5 comentários

  1. :) Lindo texto! Fiquei ansiosa por receber a minha :D [vi o teu mail e sei que vai demorar, não faz mal ;)]

    beijinhos*

    ResponderEliminar
  2. O prazer é todo meu!
    Como já te disse és uma inspiração para mim e estou ansiosa para nos podermos encontrar outra vez!
    Obrigada também por fundares este projecto, sem ele não ia descobrir a paixão de escrever cartas!

    Obrigada <3

    ResponderEliminar
  3. Que projeto tão interessante! :)
    Há uns tempos que participo no Postcrossing, um projeto mais "mundial" e famoso mas menos personalizado e íntimo que o teu...

    ResponderEliminar
  4. AMEI !!
    Vou aderir a este PROJECTO :)
    Kiss

    ResponderEliminar