O início da viagem: Strasbourg { Verão de 2013}

By Mariana Neves - novembro 17, 2013


Foi em Janeiro de 2010, que conheci pela primeira vez esta cidade. Na altura era Inverno, os lagos estavam praticamente gelados e sobre a noite escura os cisnes sobrevoavam as nuvens de chuva. Na altura explorei aquelas ruas, com gorro, luvas e tudo o que me pudesse proteger do frio. O regresso foi bem diferente. Estava bastante expectante ao que iria encontrar, tinha ficado tão fascinada com a cidade que tinha medo que este regresso se revelasse uma desilusão. A verdade é que as cidades não são sempre iguais: as estações mudam-nas, especialmente a magia do Inverno. Contudo, descobri que esta cidade francesa é mágica também no auge de Verão.


Chegamos ao aeroporto de Strasbourg durante a tarde e mal saímos de lá a aventura começou: não sabíamos como retirar os bilhetes para o metro que nos levaria à cidade. Felizmente encontramos um português que nos indicou o funcionamento da máquina e chegamos à estação de metro. O sol já estava a baixar e a estação estava rodeada de um campo verde... O sol reluzia na relva e o espectáculo de boas vindas não poderia ser mais apelativo. Começamos assim a nossa grande (e maravilhosa) viagem. Assim que chegamos à cidade relembrei todos os momentos que lá vivi com a neve a espreitar e o chocolate quente nas mãos. Lembrei-me das baguetes nas calçadas, da catedral e do momento em que descobri discos da Tracy Chapman a uma pechincha e os trouxe directinhos para Portugal. E só essas lembranças já tornavam esta viagem promissora.


Contudo o verdadeiro reencontro aconteceu quando, na primeira noite, o espectáculo de luz iluminou a catedral de Strasbourg. Nunca fui a Notre Dame (embora seja algo que deseje muito!), mas há algo naquela catedral que me transporta para a cidade do Corcunda e da Esmeralda e de todas as orações de amor. Se existe um lugar específico na terra óptimo para orar, para mim, será este. As ruas movimentadas sobre a luz da noite, o tilintar dos copos, o som dos sapatos na calçada... são coisas que mantenho firmes na minha memória desta primeira cidade.


Contudo, Strabourg é daquelas cidades que começa a ter vida especialmente de manhã: com o cheiro a pão acabado de fazer, as baguetes, o cheiro a café (que de pouco vale comparado ao nosso) e todas aquelas relíquias características que nos fazem chorar por mais. E o melhor? É que pudemos caminhar pelas ruas - tentando não ser atropelados pelas bicicletas - e comer bastantes das iguarias de graça, porque existem sempre bons comerciantes que nos oferecem pequenas amostras de graça. Lembro-me que no início da primeira manhã a primeira coisa que comi foi um bolo de cocô oferecido por uma senhora da loja.. maravilhoso! Se há coisa gastronómica que também não posso deixar de mencionar é o extraordinário chocolate quente que existe numa chocolateria bem perto da catedral, ai delicioso! (provei-o da primeira vez que fui lá e ainda não me esqueci do extremo sabor a cacau que se cravou na minha língua.)


Dizer aquilo que visitei durante os dois dias que passei em Strasbourg é praticamente impossível. Vi coisas magnificas, vivenciei momentos espectaculares e nem todos eles podem ser traduzidos em palavras, nem sequer partilhados aqui. Ter voltado ao Parlamento e ter visto manifestações a favor de uma sociedade mais justa relembraram-me bocados de mim que parecia que tinha esquecido. Passear pelos campos verdes e perder-me na escuridão iluminada pelos sinais são momentos de uma liberdade imensa... Ouvir portugueses a passar por nós de bicicleta, emocionam-nos e fazem-nos sempre lembrar de casa. Ver lontras a percorrer o rio e cegonhas a sobrevoar o céu relembram-nos o grande poder desta mãe Natureza que está presente em cada sítio.

Outra coisa que há a realçar nesta cidade é o poder de circulação tão barato nos bilhetes diários do metro (tão mais barato que o passe diário de Lisboa!). Todos os dias mergulhávamos na rede de transportes tão bem sinalizada e percorríamos tudo o que era sinalizado nos roteiros de turismo e não só. No segundo dia, tivemos a sorte de presenciar um daqueles momentos mágicos que só a chance de viajar é capaz de nos conceder. Estamos a sair da catedral, quando enveredamos por uma das praças centrais onde estava a haver um concerto de rancho típico da zona da Alsácia. De trajes vermelho e com uma certa idade, os dançarinos rodopiavam usando sorrisos abertos e luminosos ao som da música. Foi realmente um espectáculo inesperado fantástico.


E foi depois desse espectáculo, com o coração cheio de ânimo e mapa nas mãos que começamos à procura daquilo que se chama "Petite France". Esta é uma das zonas mais turisticas desta zona, onde casas "à antiga" se escondem por entre riachos e pontes de pedra. Digamos que é uma zona totalmente saída de um conto de fadas: com as casas bem pequenas, o som das gargalhadas, árvores em cada esquina e floreiras coloridas a acompanhar-nos a passada. Não há como sair de lá cada vez mais fascinada com esta cidade e, para quem é o caso (como eu), continuar a sonhar com o pequeno chalé nas montanhas.


Já no final da tarde do segundo dia, encontramos um sítio mágico. Um lar de idosos que tinha entrada para um jardim fenomenal. Um jardim onde barcos, cegonhas, pessoas e toda a natureza estavam em comunhão entre si. Digo, nunca tinha visto um jardim assim, tão magnânimo.


Agora que revejo tudo isto digo que a visita a Starsbourg foi curta, mas felizmente, este é um lugar que eu espero visitar mais vezes. Para me fascinar mais, para descobrir mais, para o viver mais. Foram três dias fantásticos, mas na manhã do segundo dia já seguíamos viagem para outro local...


To be continued... 

  • Share:

You Might Also Like

9 comentários

  1. Não conheceu, mas as tuas fotografias fizeram-me vir super curiosa.. Vou investigar os preços para uma escapadela :)
    http://allaboutmakemehappy.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  2. Olá Mariana, adorei este post sobre Strasbourg. Nunca lá fui infelizmente mas a minha irmã já e as fotos dela mostram bem essas casa de encantar que tu falas e também fiquei com vontade de conhecer essa cidade. Um dia quem sabe.

    ResponderEliminar
  3. O que gosto nesses posts de viagem é a possibilidade de viajar através do olhar e do sentir do outro. Grazie por esse passeio minha cara. Bacio

    ResponderEliminar
  4. ohh adorei as fotos, tão giras, deve ser um sítio lindo, adoro o carrossel
    beijinhoo

    ResponderEliminar
  5. Adoro lugares onde se possa aproveitar a riqueza de detalhes de cores e estilos. que belas fotos, para que nunca foi a cidadesda europa é muito inspirador. Obrigada pelas belas imagens!!

    ResponderEliminar
  6. As tuas fotos são sempre lindas, Mariana! Tens um jeitinho que faz com que os locais e coisas que fotografas pareçam saídos de um conto de fadas. :)

    ResponderEliminar