"Paula" por Isabel Allende

By Mariana Neves - março 31, 2016

{instagram: @mmariananeves}

A última vez que falei aqui sobre leituras disse que me ia render outra vez ao meu vicio pela leitura. Não me esqueci da promessa e depois de ler o "Belivro" lancei-me na leitura de um livro que me chegou há uns anos via correio. Numa das cartas que troquei graças ao Projecto Cartas Cruzadas, recebi um livro com a nota que "ia adorar o livro". Passou-se um, dois e três anos e não peguei no livro. Peguei nele em Novembro de 2015 e demorei a lê-lo três meses. Normalmente quando começo um livro, dedico-me a ele, e em menos de um mês acabo de o ler. Este livro, contudo, trocou-me as voltas. 
Foi a primeira vez que li Isabel Allende e fiquei apaixonada pela escrita dela logo nas primeiras páginas. Demorei-me em cada palavra, cada vírgula, cada detalhe. Este é um livro triste e eu absorvi toda a sua tristeza. Afundei-me na história verídica da vida de Isabel Allende e o que aconteceu durante um ano da sua vida enquanto esperava que, Paula, a sua filha acordasse de um coma devido a uma doença grave. É um livro forte, onde as lágrimas deslizam algumas vezes, mas cheio de história, sentimento e sabedoria. Acabei de o ler com um suspiro e com a sensação que ficaria para sempre ligada a este livro e a esta história de amor puro, verdadeiro e extremamente duro. 
Aconselho este livro a quem queira ficar sem respiração só por ler um "Paula, filha, por favor acorda." Aconselho a quem goste de biografias e histórias cheias de dor e de vida. A quem goste de quase de 600 páginas de puro sentimento e um mergulho sem preparação para a realidade: da doença, da esperança, da morte e da vida. Obrigada à Cristina que me fez este livro maravilhoso chegar às minhas mãos. Realmente tinhas razão, adorei.

***

"Silêncio antes de nascer. Silêncio depois da morte. A vida é puro ruído no meio de silêncios insondáveis".

"A mente selecciona, exagera, atraiçoa, os acontecimentos esfumam-se, as pessoas esquecem-se e, no fim, resta apenas o trajecto da alma, esses escassos momentos de revelação do espírito. Não interessa o que me aconteceu, mas sim as cicatrizes que me marcam e distinguem"

"Os filhos, como os livros, são viagens ao interior de nós próprios, nas quais o corpo, a mente e a alma mudam de direcção, regressam ao próprio centro de existência"

***

Para quem gosta de ler:

~ Juntei-me recentemente à comunidade do GoodReads, podem ver o meu perfil aqui.

~ A Raquel do blogue Just Happy With Less é uma inspiração e traz à nossa vida livros maravilhosos. É uma musa das leituras. Aconselho a seguirem o canal de youtube e o instagram dela. 

  • Share:

You Might Also Like

9 comentários

  1. Li este livro há muitos anos atrás, pouco tempo depois de ter sido publicado. Já conhecia a autora e já tinha lido grande parte da obra dela, pois era a minha autora favorita daquela altura. Continuo a achar a sua escrita muito envolvente e gosto da espiritualidade latente das suas histórias.
    No caso de "Paula" é mesmo um murro no estômago, pois a história choca não só por ser triste mas por ter sido real. Mas para além da história principal, da doença da filha, o que gostei foi saber de onde é que vieram as inspirações para as personagens e histórias dos outros livros que já tinha lido. Isabel Allende é uma autora que transporta muito das pessoas com quem se cruza ao longo da vida, para as páginas das suas obras. E eu que me tinha envolvido sempre tanto com as suas personagens, vi que afinal essas pessoas existiram e existem. Talvez por isso os livros sejam tão envolventes.
    Se gostaste desse livro, vais gostar dos outros, de certeza :)
    Beijinhos :*

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Catarina!
      Tenho mesmo que ler os outros livros, ela realmente falou deles no livro :)
      Mas é mesmo um grande murro no estômago, sem dúvida.

      Beijinhos e obrigada pela visita *

      Eliminar
  2. Cheguei ao blog pelo nome. Tem duas coisas que adoro: beber chá a todas as horas, sendo os girassóis as minhas flores preferidas. Da Isabel Allende só não gostei, curiosamente, da casa dos ESpíritos. O último que li foi o Amante Japonês e adorei.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Maria do Mundo, bem vinda ao blogue!
      Espero que gostes de estar por aqui :) O chá e os girassóis são também das minhas coisas favoritas, daí o nome do blogue.
      Beijinhos e mais uma vez obrigada pela visita*

      Eliminar
  3. Isabel Allende é a minha escritora favorita, já li mil vezes os meus livros preferidos dela, esse incluído e mesmo depois de tantas vezes continua a faer-me rir e chorar. O Paula é um livro mesmo especial, tens de ler os outros, são também fenomenais :) um beijinho*

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Patrícia, eu li no teu blogue quando estava a ler este livro e achei engraçado! :)
      Tenho que me aventurar então!
      Beijinhos**

      Eliminar
  4. Ao passar pela net afim de encontrar novos amigos e divulgar o meu blog, me deparei com o seu que muito admiro e lhe dou os parabéns, pois é daqueles blogs que gostaria que fizesse parte de meus amigos virtuais.
    Se desejar visite o Peregrino E Servo. Leia alguma coisa e se gostar siga, Saiba porém que sempre vou retribuir seguindo também o seu blog.
    Minhas cordiais saudações, e um obrigado.
    António Batalha.
    http://peregrinoeservoantoniobatalha.blogspot.pt/

    ResponderEliminar