Desde que partiste estou em queda livre.

By Mariana Neves - abril 20, 2016

Podia tentar dizer-te como têm sido os meus dias. Os dias, as horas, os segundos passam e não há muito a dizer. Se antes tinha muito que partilhar contigo, desde que partiste, ficou tudo indiferente. Estou rendida numa teia de saudades: não há forma de saíres do meu pensamento e não me consigo libertar da tristeza onde estou preza há dezoito dias. Dezoito dias. Já se passaram dezoito dias desde que partiste. Dá para acreditar? Continuo a esperar uma mensagem, um telefonema teu, uma visita inesperada. Parece que foi ontem que me deixaste de responder e hoje sei que aquele café que adiamos nunca mais se vai realizar.

Sonhei que ainda estavas vivo e tudo voltou a fazer sentido. Mas a realidade espancou-me sem pedir permissão. Acordar para um mundo onde já não existes, é injusto e inacreditável. Ainda consigo ouvir a tua voz e as tuas expressões. "Cada um tem o que merece". Tu não merecias, raio de sol. Posso jurar que ainda te vejo sempre que passo a rua de tua casa. De repente, tudo me lembra de ti. As estrelas tocam Damien Rice e até as músicas da radio parecem ser escolhidas por ti. Dizias-me, constantemente, que achavas piada à forma como eu era despassarada e esquecida. Posso jurar-te que neste momento não há um só dia em que a minha cabeça não pense em ti. 

Onde estás? Porque é que eu estou aqui e tu não? Qual é o sentido deste mundo em levar-te quando ainda tinhas tanto para fazer? Qual é o sentido de arrancarem assim a tua vida e de me deixarem tão perdida na minha? Fazes-me falta. Fazes-me falta por muita coisa mas porque sei que nunca mais vais voltar. Tudo o que ficou por dizer, fazer, vai ficar para sempre. Não vamos ao cinema, não me vais contar o segredo do teu anel e eu não te vou fazer um almoço como tinha prometido. 

Se as coisas têm um porquê. Qual é o nosso? Porque entraste na minha vida e porque partiste assim? Tenho tantas dúvidas e desconfio que nunca vou ter respostas. Se me ouves, se me vês: vês como estou em queda livre sem nada para me segurar? Volta, segura-me e faz com que tudo isto seja um pesadelo porque quando aterrar no chão não sei o que vai restar de mim. (Mas tu não me podes segurar, pois não?)

  • Share:

You Might Also Like

0 comentários